9.3.09

Ah… aqueles beijos que me deixavas embrulhados em papel de seda, à espera que os abrisse… Presentes tão sinceros quanto um beijo consegue ser. Que sinceridade essa que se derretia na minha boca espalhando-se pelo corpo, tão sinceramente quanto um corpo consegue absorver. Que corpo esse que se confundia com o meu, deixando-me tão perdido quanto um homem pode ficar, por amar…, por sentir…, por querer…algo tão confuso quanto o amor pode ser.

Link Homem de Lata, às 20:16  Comentar

De Ana a 10 de Março de 2009 às 11:10
O mais belo da poesia é saber que mesmo quando falamos do mesmo assunto, este se renova em cada verso e autor que o reescreve!
vc é fascinante!
beijos

De Homem de Lata a 10 de Março de 2009 às 20:47
Olá,

Muito obrigado pelo teu comentário, és muito simpática. Acho que quando nós acreditamos muito numa coisa - neste caso no amor - podemos escrever sem nunca esgotar o tema, sem nunca parecer piroso, sem... medo. Beijos.

De Ana a 11 de Março de 2009 às 11:56
me visite quando puder!
www.antonheiro.blogs.sapo.pt
beijos

De Homem de Lata a 11 de Março de 2009 às 21:43
Já visitei ontem:-)

De marianne a 10 de Março de 2009 às 21:44
Adoro todos os teus textos, todo o teu blog.
Consegues escrever sobre o amor, de uma forma fascinante. Sem ser piroso ou exagerado.
Rendi-me ao teu blog :)

Beijinhos

De Homem de Lata a 11 de Março de 2009 às 21:44
Esses são os meus maiores receios, cair no exagero ou ser piroso mas espero conseguir evitar. Acredito no que escrevo, talvez ajude. Muito obrigado e beijocas.

De susana Rodrigues a 10 de Março de 2009 às 23:17
e ao ler-te consigo imaginar um corpo masculino a planar e uma onda enorme de calor a sobrevoá-lo:) a tua prosa poética suscita sempre imagens bonitas dentro de mim. Obrigada
Mais momentos desses virão. São segundos que nos fazem satisfazer com todos os anos que percorremos numa vida.
Um abraço grande
su

De Homem de Lata a 11 de Março de 2009 às 21:49
Olá su.

Muito obrigado pelas tuas palavras. Fico contente de saber que os meus pequenos devaneios te fazem sentir bem. Haverá objectivo melhor para as minhas palavras? Beijo grande.

De thereasonisyou a 11 de Março de 2009 às 10:13
ah... aquelas pequenas coisas que nos alegram, que nos consolam... que nos fazem respirar... ah que saudades...

De Homem de Lata a 11 de Março de 2009 às 21:50
Ah...o amor:-)

De Pétala De Rosa a 14 de Março de 2009 às 12:31
" Que bonito !
Um contraste perfeito " Papel e Seda "

O que o Amor nos faz!!!
Chegamos ao ponto de deliramos com tão grande confusão esta o Amor como tu dizes ..Parabéns beijos

De Homem de Lata a 21 de Março de 2009 às 14:37
Mas que seria das nossas vidas sem essa confusão? sem esse conflito entre a razão e o coração?

De Ginebra a 15 de Março de 2009 às 09:58
Olá. Lanço-te o desafio que me lançaram. Pega num livro qualquer, vai à página 161 e copia a 5ª frase. Depois Lança o mesmo desafio a cindo bloggers, a fim de que esta corrente literária não se quebre. Bjs.

De Homem de Lata a 21 de Março de 2009 às 14:38
Hei-de cumprir:-) beijos

De Carolina a 17 de Março de 2009 às 17:46
Texto fantástico, como todos os outros que escreves!
Deves ser o homem mais romântico que conheço. :P
Beijinhos. [favoritos]

De Homem de Lata a 21 de Março de 2009 às 14:40
Há por aí muitos só que ainda não os conheceste:-) Acredito no amor...é isso.

De Existe um Olhar a 18 de Março de 2009 às 16:04
Deixei no meu blog, embrulhado em papel de seda, um miminho para ti.
Se quiseres passa a mais 10 blogues.

Beijo
Manu

De Homem de Lata a 21 de Março de 2009 às 14:40
Obrigado Manu, foi muito simpático da tua parte! Bejo*

 
Posts mais comentados
71 comentários
46 comentários
44 comentários
41 comentários
38 comentários
37 comentários
37 comentários
31 comentários
RSS